Tipos de Investimentos

Para te ajudar a fazer a escolha mais adequada, a São Bernardo disponibiliza todas as informações necessárias, reforçando nosso compromisso com a transparência. Neste tópico você vai entender quais são os tipos de investimentos que compõe os perfis da São Bernardo e suas respectivas vantagens e desvantagens.

Renda Fixa

As aplicações em renda fixa funcionam como contratos de dívida, nos quais o emissor, isto é, quem toma o dinheiro emprestado - pode ser o Governo, empresas e bancos privados - assume o compromisso de devolver o valor aplicado acrescido de uma rentabilidade cuja forma de cálculo é pré-estabelecida. Na renda fixa temos os Títulos Públicos e os Títulos Privados, que se diferenciam em alguns aspectos.

Títulos Públicos

Os títulos públicos são emitidos pelo Governo e remunerados por uma renda fixa cuja forma de cálculo já é conhecida no momento da aplicação. Por serem garantidos pelo Governo e por não estarem sujeitos a variações no rendimento, são títulos bastante seguros. Contudo, possuem rendimento menor.

Títulos Privados

Os títulos privados são emitidos por bancos ou empresas e são remunerados por uma renda fixa. Apresentam um nível de risco um pouco maior que os títulos públicos pois não possuem a garantia do Governo, mas seu rendimento pode ser melhor que o rendimento dos títulos públicos.

Renda Variável

As aplicações em renda variável significam a aquisição de ações na Bolsa de Valores. O detentor de uma ação se torna um acionista da empresa e o valor do seu investimento depende a cada momento de quanto essa ação está valendo na Bolsa de Valores. Neste caso, a expectativa de lucro a longo prazo é maior que a da renda fixa, mas o risco do investimento também é maior. Vale ressaltar que uma cuidadosa escolha das ações pode reduzir bastante o risco e gerar uma rentabilidade atraente.

Acompanhando, ao longo do tempo, a evolução do valor da ação na Bolsa de Valores e comparando com o seu custo de compra, espera-se observar um ganho. Contudo, em determinados momentos pode-se observar uma perda do valor aplicado, ou seja, as ações compradas podem estar valendo menos do que o preço pago na sua aquisição.

Essa situação é mais comum quando a comparação é feita em curtos períodos de tempo. Na comparação em períodos longos há uma expectativa de que as aplicações em ações apresentem um resultado favorável a seus aplicadores, embora isso ninguém possa garantir.

Voltar ao Topo